Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amor Incondicional ❤️ Amor&Liberdade

Eu quero aprender a Amar mas sem prender, acho que a Liberdade é o maior vinculo e prova de Amor... Eu quero aprender a Amar sem esperar nada em troca, só dar o melhor de mim! ❤️❤️❤️💓💓🥰🙏

Amor Incondicional ❤️ Amor&Liberdade

Eu quero aprender a Amar mas sem prender, acho que a Liberdade é o maior vinculo e prova de Amor... Eu quero aprender a Amar sem esperar nada em troca, só dar o melhor de mim! ❤️❤️❤️💓💓🥰🙏

26 de Agosto, 2014

Inteligência Emocional na Educação dos Filhos

solua

 

QUE TIPO DE PAI OU MÃE É VOCÊ?

 

 

 

John Gottman, em seu livro Inteligência Emocional e a arte de educar nossos filhos, apresenta um questionário para ajudar a avaliar o tipo de pai ou mãe que você é, seguido de uma descrição dos quatro estilos parentais e como os diferentes estilos afetam as crianças.

 

 

AVALIANDO SEU ESTILO PARENTAL

 

Este questionário contém perguntas sobre seus sentimentos relativos à tristeza, ao medo e à raiva, em você e em seus filhos.

Para cada item, marque a resposta mais de acordo com o que você sente.

Na dúvida, escolha a resposta que lhe parecer mais plausível.

Embora este questionário exija que você responda a muitas perguntas, tente fazê-lo até o fim.

A extensão do modelo nos garante cobrir a maioria dos aspectos de cada estilo parental.

 

V = Verdadeiro

F =  Falso

 

1- Criança realmente quase não tem motivo para ficar triste. V   F

2- Acho que raiva não tem nada de mau, contanto que seja controlada. V   F

3-Quando a criança faz manha, em geral só está querendo que os adultos fiquem com pena dela. V  F

4- A raiva da criança merece uma folga. V   F

5- Quando faz manha, meu filho fica uma verdadeira peste. V   F

6- Quando meu filho está triste, espera que eu conserte o mundo e o deixe perfeito. V   F

7- Eu realmente não tenho tempo para tristeza na vida.  V   F

8 -A ira é um estado perigoso. V   F

9- Se a gente ignora a tristeza da criança, ela acaba passando. V   F

10- Raiva em geral quer dizer agressão. V   F

11- Criança costuma fazer manha para conseguir o que quer. V   F

12- Acho que tristeza não tem nada de mau, contanto que seja controlada. V   F

13- Tristeza é uma coisa que a gente tem que superar, esquecer e não ficar remoendo. V F

14- Não me importo de lidar com tristeza de criança, desde que não dure muito. V   F

15- Prefiro uma criança feliz a uma excessivamente emotiva. V   F

16-Quando meu filho está triste, é hora de resolver problemas. V   F

17- Ajudo meus filhos a superarem logo as tristezas para que possam se dedicar a coisas melhores. V   F

18- Não acho que quando a criança está triste seja uma oportunidade para lhe ensinar alguma coisa. V   F

19- Acho que quando a criança esta triste, ela está dando uma ênfase exagerada ao lado negativo da vida. V   F

20- Quando minha filha fica brava, ela vira uma peste.  V   F

21- Imponho limites à raiva da minha filha. V   F

22- Quando meu filho faz manha, é para chamar atenção. V   F

23- A raiva é uma emoção que vale a pena explorar.  V   F

24- Muito da raiva da criança é consequência de sua imaturidade e falta de discernimento. V   F

25- Tento transformar a irritação de meu filho em animação.  V   F

26- Você deve expressar a raiva que sente. V   F

27- Quando minha filha está triste, é uma oportunidade de aproximação. V   F

28- Criança realmente quase não tem motivo para ficar irritada. V   F

29- Quando meu filho está triste, tento ajudá-lo a investigar as causas de sua tristeza. V   F

30- Quando meu filho está triste, me mostro compreensiva. V   F

31- Quero que meu filho vivencie a tristeza. V   F

32- O importante é descobrir por que a criança está triste. V   F

33- A infância é uma época de alegria, não uma época para sentir tristeza nem irritação. V   F

34- Quando minha filha está triste, a gente senta e conversa sobre a tristeza. V   F

35- Quando meu filho está triste, tento ajudá-lo a descobrir por que ele está com aquela sensação.

  V   F

36- Quando meu filho está irritado, é uma oportunidade de aproximação. V   F

37- Quando meu filho está irritado, dedico um pouco de tempo a ele e a vivenciar este sentimento.V   F

38- Quero que meu filho vivencie a ira. V   F

39- Acho que às vezes é bom a criança sentir raiva. V   F

40- O importante é descobrir por que a criança está irritada. V   F

41- Quando ela fica triste, digo que é melhor ela não desenvolver o mau gênio. V   F

42- Quando meu filho está triste, tenho medo de que ele desenvolva uma personalidade negativa.

 V   F

43- Não estou tentando ensinar a meu filho nada em particular sobre a tristeza. V   F

44- Se há uma lição que eu possa dar sobre a tristeza, é que não há nada de mau em expressá-la.  V   F

45- Não sei se se pode fazer alguma coisa para mudar a tristeza. V   F

46- Não há nada que se possa fazer por uma criança triste além de lhe oferecer consolo.V   F

47- Quando meu filho está triste, tento mostrar-lhe que o amo em qualquer condição. V   F

48- Quando minha filha está triste, não sei bem o que ela quer que eu faça. V   F

49- Não estou tentando verdadeiramente ensinar a meu filho nada em particular sobre a raiva. V   F

50- Se há uma lição que eu possa dar sobre a raiva, é que não há nada de mau em expressá-la V   F

51- Quando meu filho está irritado, tento entender seu estado de espírito. V   F

52- Quando minha filha está irritada, tento mostrar-lhe que a amo em qualquer condição.V   F

53- Quando meu filho está irritado, não sei bem o que ele quer que eu faça. V   F

54- Meu filho tem mau gênio e isso me preocupa. V   F

55- Acho que é errado uma criança manifestar raiva. V   F

56- Quem tem raiva não tem controle. V   F

57- Uma criança manifestando a raiva é a mesma coisa que um ataque de mau gênio. V   F

58- A criança se irrita para fazer o que quer. V   F

59- Quando meu filho se irrita, tenho medo de suas tendências destrutivas. V   F

60- Se você permite que a criança se irrite, ela vai pensar que sempre vai poder fazer o que quer. V   F

61- A criança irritada está sendo desrespeitosa. V   F

62- Criança é muito engraçada quando fica irritada. V   F

63- A raiva em geral atrapalha meu discernimento e eu faço coisas das quais me arrependo. V   F

64- Quando meu filho está irritado, é hora de resolver um problema. V   F

65- Quando meu filho fica irritado, acho que é hora de lhe dar umas palmadas. V   F

66- Quando meu filho fica irritado, meu objetivo é fazê-lo parar. V   F

67- Não dou muita bola para raiva de criança. V   F

68- Quando meu filho está irritado, em geral não levo a coisa muito a sério. V   F

69- Quando estou irritada, sinto como se fosse explodir. V   F

70- A raiva não leva a lugar nenhum. V   F

71- É excitante para a criança manifestar raiva. V   F

72- A raiva da criança é importante. V   F

73- A criança tem o direito de sentir raiva. V   F

74-Quando minha filha está brava, eu simplesmente descubro o que a está deixando brava.V   F

75- É importante ajudar a criança a descobrir o que a irritou. V   F

76- Quando minha filha se irrita comigo, penso: “Não estou querendo ouvir isso”. V   F

77- Quando meu filho está irritado, penso: “Se ao menos ele tivesse jogo de cintura...”.V   F

78-Quando minha filha está irritada, penso: “Por que ela não pode aceitar as coisas como elas são?”. V   F

79-Quero que meu filho fique com raiva, para se defender. V   F

80- Não dou muita bola para a tristeza de meu filho. V   F

81- Quando minha filha está irritada, quero saber o que ela está pensando. V   F

 

 

 

Como interpretar suas respostas:

 

Simplista:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 1, 2, 6, 7, 9, 12, 13, 14, 15, 17, 18, 19, 24, 25, 28, 33, 43, 62, 66, 67, 68, 76, 77, 78, 80.

 

Divida o total por 25. Este é seu coeficiente Simplista.

 

Desaprovador:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 3, 4, 5, 8, 10, 11, 20, 21, 22, 41, 42, 54, 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61, 63, 65, 69, 70.

 

Divida o total por 23. Este é seu coeficiente Desaprovador.

 

Laissez-Faire  (deixar fazer sem impor limites ou consequências):

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 26, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 50, 52, 53.

 

Divida o total por 10. Este é seu coeficiente Laissez-Faire.

 

Preparador Emocional:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 16, 23, 27, 29, 30, 31, 32, 34, 35, 36, 37, 38, 39, 40, 51, 64, 71, 72, 73, 74, 75, 79, 81.

 

Divida o total por 23. Este é seu coeficiente de Preparador Emocional.

 

Agora compare seus quatro coeficientes.

O mais alto indica sua tendência dominante.

Olhe então para a lista a do post seguinte que resume as características básicas de cada estilo e explica como cada um afeta a criança.

 

Fonte: