Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amor Incondicional - Amor&Liberdade

Eu quero aprender a Amar mas sem prender, acho que a Liberdade é o maior vinculo e prova de Amor... mas será que vou conseguir chegar ao fim desta passagem e viver um Amor Livre?

Amor Incondicional - Amor&Liberdade

Eu quero aprender a Amar mas sem prender, acho que a Liberdade é o maior vinculo e prova de Amor... mas será que vou conseguir chegar ao fim desta passagem e viver um Amor Livre?

14
Jul20

Julho Resiliente - Dia 14: Defina uma meta alcançável e faça com que aconteça

solua

Definir Metas e Objetivos na nossa vida...

Algumas pessoas morrem aos 25 anos, mas só são enterradas aos 70. - Benjamin Franklin

Para definir metas é fundamental sabermos o que queremos e se o que queremos está em consonância com a nossa missão de vida.

Pode dividir suas metas em três grupos:

Grupo do SER – uma das coisas mais empolgantes é trabalhar para se tornar algo.

Grupo do FAZER – realizar coisas é um fator muito motivador.

Grupo do TER – ter como objetivos adquirir bens não tem nada de errado e deve ser consequência do seu Ser e Fazer.

 

Uma Meta que pretendo alcançar é a qualidade de tempo em familia em férias...

Nas férias, pais e filhos têm a oportunidade de passar mais tempo juntos e de desfrutar da companhia uns dos outros, o que é importante não só para reforçar os laços afetivos mas também a qualidade da comunicação.

Independentemente das atividades escolhidas, importa acima de tudo a disponibilidade dos pais para estarem atentos às necessidades emocionais das crianças e o seu envolvimento na relação com elas. São estes momentos de convívio familiar e de proximidade afetiva que se vão constituir como memórias positivas extremamente importantes no desenvolvimento da criança e que a vão acompanhar ao longo da vida.

E já agora, umas ótimas férias com os seus filhos!!

Fonte

Quero deixar memórias das férias de verão aos meus filhos, como me deixaram de felicidade, leveza e muito amor!

E5FE9E00-086E-4E02-A21E-6B1D6C51CF55.jpeg

--/--

Jump Back July - Day 14: Set yourself an achievable goal and make it happen

Setting Goals and Objectives in our life ...

Some people die at 25, but are only buried at 70. - Benjamin Franklin

To define goals, it is essential to know what we want and whether what we want is in line with our life mission.

You can divide your goals into three groups:

SER Group - one of the most exciting things is working to become something.

DO group - doing things is a very motivating factor.

TER Group - having as objectives to acquire goods has nothing wrong and should be a consequence of your Being and Doing.

 

One goal I intend to achieve is the quality of family time on vacation ...

On vacation, parents and children have the opportunity to spend more time together and enjoy each other's company, which is important not only to strengthen affective bonds but also the quality of communication.

Regardless of the activities chosen, it is above all the parents' availability to be attentive to the children's emotional needs and their involvement in the relationship with them. It is these moments of family life and emotional closeness that will constitute positive memories that are extremely important in the child's development and that will accompany him throughout life.

And by the way, a great vacation with your children !!

Source

I want to leave memories of summer vacation to my children, how they left me with happiness, lightness and a lot of love!

actionforhappiness.org/jump-back-july #JumpBackJuly

14
Dez19

Faz o Bem Dezembro - Dia 14: Partilha uma memória feliz ou um pensamento inspirador com alguém que ame

solua

Partilhar memórias felizes ou pensamentos inspiradores?

Primeiro devemos pensar quais foram as memórias felizes que criamos? Como criar memórias felizes?

Ao pesquisar sobre este tema, encontrei este livro: A Arte de Criar Memórias Felizes , neste livro, Meik Wiking, presidente do Happiness Research Institute em Copenhaga, explora as memórias e a forma como são criadas, e dá-nos as melhores dicas para conseguirmos criar momentos inesquecíveis e, sobretudo, felizes, que moldarão quem somos e seremos no futuro.

Podemos criar memórias felizes, otimo! Mas para mim as memórias felizes são aquelas que foram criadas sem nos apercebermos, mas realmente envolveu vários sentidos: olfato, visão, tato, paladar, audição mais outro ingrediente a emoção (Coração) que senti, sim estas memórias ficam!

Tudo o que é feito com amor (coração) fica em nós e deixamos algo nos outros!

Quais são as memórias mais felizes, até ao momento?

- Minhas Festas 🥳 de Aniversário 🎁🎂🎉 em casa dos meus Pais

- Brincar na Rua nas férias de verão 

- Praia e Sol ☀️ 🏖 nas Férias de Verão

- Fazer Amigos 👫 

- Natal 🎄 e festas 🥳 em Família

- Festas com Amigos 👬 

- Concluir Licenciatura, Mestrado 👩🏻‍🎓

- O 1º trabalho 👩🏻‍💻

- Comprar o 1º Carro 🚗 , a 1ª Casa 🏠 

- Casamento 💍 

- Nascimento dos meus filhos 👶👶👶

- Todas as Viagens ✈️🧳  que já fiz

- ...

E as vossas memórias felizes, quais são?

---/---

Do Good December - Day 14: Share a happy memory or inspiring thought with a loved one

Share happy memories or inspiring thoughts?

First we must think what were the happy memories we created? How to create happy memories?

When researching on this we have found this book: The Art of Creating Happy Memories, in this book, Meik Wiking, president of the Happiness Research Institute in Copenhagen, explores the memories and how they are created, and gives us the best tips for us to achieve. create unforgettable and especially happy moments that will shape who we are and will be in the future.

We can create happy memories, great! But for me happy memories are those that were created without realizing it, but it really involved several senses: smell, sight, touch, taste, hearing plus another ingredient the emotion (Heart) I felt, yes these memories stay!

Everything that is done with love (heart) stays in us and we leave something in others!

What are the happiest memories so far?

- My Birthday Parties at home

- Playing in the Street on Summer Vacation

- Beach on Summer Vacation

- Make friends

- Christmas and Family parties

- Parties with Friends

- Finish Degree, Master

- The 1st work

- Buy the 1st Car, the 1st House

- Marriage

- Birth of my children

- All the trips I've ever done

- ...

And your happy memories, what are they?

7ca5492e847e8cf78b64467ba873cbad.jpg

01
Out19

Ser mãe aos 30...

solua

Desde que fui mãe, sinto que não vou acompanhar a vida dos meus filhos, como os meus pais me acompanharam.

Ser mãe aos 20 ou aos 30, tem 10 anos de diferença... que é muito... na fase final da nossa vida...

Sinto que não estou a cuidar-me, na alimentação, exercícios para ter uma vida mais saudável e com mais uns anos de qualidade de vida...

Quero passar mais algum tempo de qualidade na vida dos meus filhos e não estou a fazer nada, só a lamentar-me... e com um aperto no meu coração...

A vida passa rapidamente e não estou a viver o meu sonho de mãe, às vezes parece um pesadelo...

Sei que há situações que eu não consigo controlar mas tenho que ter força para cuidar de mim, gostar de mim, ter uma melhor auto-estima...

”1) Desiste de querer mudar o teu filho. Aceita a natureza dele porque é quando a aceitas que ele desabrocha e cresce.
2) Depois de aceitares a natureza dele, sossega. A perfeição não existe. A maternidade não é uma competição. Todos os miúdos, mais cedo ou mais tarde farão as mesmas coisas. Há miúdos que surpreendem mais tarde, quando se tornam maiores e mais independentes. Deixa-os ser.
Até lá, faz aquilo que é bestialmente importante: olha para o teu filho com olhos de ver. Olha para ele, porque de facto ele existe. E é quando tu páras para olhar de facto que percebes o que é que ele te está a pedir, a cada instante.
Hoje apetece-me dizer-te para não passares ao lado da tua vida com os teus filhos porque é nas pequenas coisas, no quotidiano da vida que o mais importante e o que mais influencia, acontece.”

18
Set16

Geração sanduíche: cuidando dos pais e dos filhos ao mesmo tempo

solua

"De maneira geral, as mulheres estão deixando para terem seus filhos mais tarde, quando a vida profissional e sentimental já parecem consolidadas. Várias amigas minhas estão experimentando a maternidade por volta dos 30, 35 anos de idade. Isso tem algum problema?

A medicina diz que o ideal é ter o primeiro filho antes dos 30, mas a ciência tem evoluído tanto que isso já não é mais um problema. Só que esta geração de mães, em pouco tempo, vai se deparar com algumas situações conflitantes.

Cuidar dos filhos, ainda jovens, e dos pais idosos, ao mesmo tempo, e ainda ter que dar conta da vida profissional (que não pode ser deixada de lado) não é tarefa fácil..."

...

"Fácil não é, para ninguém. Mas esta etapa também faz parte da vida, e tendo amor e respeito entre os membros da família, tudo se ajeita."

Fonte: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticia/2016/07/geracao-sanduiche-cuidando-dos-pais-e-dos-filhos-ao-mesmo-tempo-6587270.html

 

E por vezes, temos que pedir forças a Deus para mais um dia e podermos ajudar os pais e os filhos... e temos que esquecer de nós :( Forças e coragem por esta etapa da vida!

28
Mai16

“Os teus pais são aqueles que mais gostam de ti e que querem o melhor para ti!"

solua
  1. Envolver o jovem na tomada de decisões
  2. Pica-se o ponto ao jantar
  3. Envie-lhes uma sms para virem jantar
  4. Plante os afectos
  5. Os castigos e as palmadas vão funcionar cada vez menos
  6. Ganhe cooperação
  7. Vínculo
  8. Escute mais
  9. Façam programas juntos
  10. Humor
  11. Reclame menos
  12. Empatia

Fonte: http://mumstheboss.blogspot.pt/2016/05/e-de-repente-nao-conheco-mais-o-meu.html

 

Penso que estas dicas não se aplicam só ao relacionamnto de Pais e Filhos, mas em qualquer relação pessoal, profissional... aqui fica as dicas...

 

26
Ago14

Inteligência Emocional na Educação dos Filhos

solua

 

QUE TIPO DE PAI OU MÃE É VOCÊ?

 

 

 

John Gottman, em seu livro Inteligência Emocional e a arte de educar nossos filhos, apresenta um questionário para ajudar a avaliar o tipo de pai ou mãe que você é, seguido de uma descrição dos quatro estilos parentais e como os diferentes estilos afetam as crianças.

 

 

AVALIANDO SEU ESTILO PARENTAL

 

Este questionário contém perguntas sobre seus sentimentos relativos à tristeza, ao medo e à raiva, em você e em seus filhos.

Para cada item, marque a resposta mais de acordo com o que você sente.

Na dúvida, escolha a resposta que lhe parecer mais plausível.

Embora este questionário exija que você responda a muitas perguntas, tente fazê-lo até o fim.

A extensão do modelo nos garante cobrir a maioria dos aspectos de cada estilo parental.

 

V = Verdadeiro

F =  Falso

 

1- Criança realmente quase não tem motivo para ficar triste. V   F

2- Acho que raiva não tem nada de mau, contanto que seja controlada. V   F

3-Quando a criança faz manha, em geral só está querendo que os adultos fiquem com pena dela. V  F

4- A raiva da criança merece uma folga. V   F

5- Quando faz manha, meu filho fica uma verdadeira peste. V   F

6- Quando meu filho está triste, espera que eu conserte o mundo e o deixe perfeito. V   F

7- Eu realmente não tenho tempo para tristeza na vida.  V   F

8 -A ira é um estado perigoso. V   F

9- Se a gente ignora a tristeza da criança, ela acaba passando. V   F

10- Raiva em geral quer dizer agressão. V   F

11- Criança costuma fazer manha para conseguir o que quer. V   F

12- Acho que tristeza não tem nada de mau, contanto que seja controlada. V   F

13- Tristeza é uma coisa que a gente tem que superar, esquecer e não ficar remoendo. V F

14- Não me importo de lidar com tristeza de criança, desde que não dure muito. V   F

15- Prefiro uma criança feliz a uma excessivamente emotiva. V   F

16-Quando meu filho está triste, é hora de resolver problemas. V   F

17- Ajudo meus filhos a superarem logo as tristezas para que possam se dedicar a coisas melhores. V   F

18- Não acho que quando a criança está triste seja uma oportunidade para lhe ensinar alguma coisa. V   F

19- Acho que quando a criança esta triste, ela está dando uma ênfase exagerada ao lado negativo da vida. V   F

20- Quando minha filha fica brava, ela vira uma peste.  V   F

21- Imponho limites à raiva da minha filha. V   F

22- Quando meu filho faz manha, é para chamar atenção. V   F

23- A raiva é uma emoção que vale a pena explorar.  V   F

24- Muito da raiva da criança é consequência de sua imaturidade e falta de discernimento. V   F

25- Tento transformar a irritação de meu filho em animação.  V   F

26- Você deve expressar a raiva que sente. V   F

27- Quando minha filha está triste, é uma oportunidade de aproximação. V   F

28- Criança realmente quase não tem motivo para ficar irritada. V   F

29- Quando meu filho está triste, tento ajudá-lo a investigar as causas de sua tristeza. V   F

30- Quando meu filho está triste, me mostro compreensiva. V   F

31- Quero que meu filho vivencie a tristeza. V   F

32- O importante é descobrir por que a criança está triste. V   F

33- A infância é uma época de alegria, não uma época para sentir tristeza nem irritação. V   F

34- Quando minha filha está triste, a gente senta e conversa sobre a tristeza. V   F

35- Quando meu filho está triste, tento ajudá-lo a descobrir por que ele está com aquela sensação.

  V   F

36- Quando meu filho está irritado, é uma oportunidade de aproximação. V   F

37- Quando meu filho está irritado, dedico um pouco de tempo a ele e a vivenciar este sentimento.V   F

38- Quero que meu filho vivencie a ira. V   F

39- Acho que às vezes é bom a criança sentir raiva. V   F

40- O importante é descobrir por que a criança está irritada. V   F

41- Quando ela fica triste, digo que é melhor ela não desenvolver o mau gênio. V   F

42- Quando meu filho está triste, tenho medo de que ele desenvolva uma personalidade negativa.

 V   F

43- Não estou tentando ensinar a meu filho nada em particular sobre a tristeza. V   F

44- Se há uma lição que eu possa dar sobre a tristeza, é que não há nada de mau em expressá-la.  V   F

45- Não sei se se pode fazer alguma coisa para mudar a tristeza. V   F

46- Não há nada que se possa fazer por uma criança triste além de lhe oferecer consolo.V   F

47- Quando meu filho está triste, tento mostrar-lhe que o amo em qualquer condição. V   F

48- Quando minha filha está triste, não sei bem o que ela quer que eu faça. V   F

49- Não estou tentando verdadeiramente ensinar a meu filho nada em particular sobre a raiva. V   F

50- Se há uma lição que eu possa dar sobre a raiva, é que não há nada de mau em expressá-la V   F

51- Quando meu filho está irritado, tento entender seu estado de espírito. V   F

52- Quando minha filha está irritada, tento mostrar-lhe que a amo em qualquer condição.V   F

53- Quando meu filho está irritado, não sei bem o que ele quer que eu faça. V   F

54- Meu filho tem mau gênio e isso me preocupa. V   F

55- Acho que é errado uma criança manifestar raiva. V   F

56- Quem tem raiva não tem controle. V   F

57- Uma criança manifestando a raiva é a mesma coisa que um ataque de mau gênio. V   F

58- A criança se irrita para fazer o que quer. V   F

59- Quando meu filho se irrita, tenho medo de suas tendências destrutivas. V   F

60- Se você permite que a criança se irrite, ela vai pensar que sempre vai poder fazer o que quer. V   F

61- A criança irritada está sendo desrespeitosa. V   F

62- Criança é muito engraçada quando fica irritada. V   F

63- A raiva em geral atrapalha meu discernimento e eu faço coisas das quais me arrependo. V   F

64- Quando meu filho está irritado, é hora de resolver um problema. V   F

65- Quando meu filho fica irritado, acho que é hora de lhe dar umas palmadas. V   F

66- Quando meu filho fica irritado, meu objetivo é fazê-lo parar. V   F

67- Não dou muita bola para raiva de criança. V   F

68- Quando meu filho está irritado, em geral não levo a coisa muito a sério. V   F

69- Quando estou irritada, sinto como se fosse explodir. V   F

70- A raiva não leva a lugar nenhum. V   F

71- É excitante para a criança manifestar raiva. V   F

72- A raiva da criança é importante. V   F

73- A criança tem o direito de sentir raiva. V   F

74-Quando minha filha está brava, eu simplesmente descubro o que a está deixando brava.V   F

75- É importante ajudar a criança a descobrir o que a irritou. V   F

76- Quando minha filha se irrita comigo, penso: “Não estou querendo ouvir isso”. V   F

77- Quando meu filho está irritado, penso: “Se ao menos ele tivesse jogo de cintura...”.V   F

78-Quando minha filha está irritada, penso: “Por que ela não pode aceitar as coisas como elas são?”. V   F

79-Quero que meu filho fique com raiva, para se defender. V   F

80- Não dou muita bola para a tristeza de meu filho. V   F

81- Quando minha filha está irritada, quero saber o que ela está pensando. V   F

 

 

 

Como interpretar suas respostas:

 

Simplista:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 1, 2, 6, 7, 9, 12, 13, 14, 15, 17, 18, 19, 24, 25, 28, 33, 43, 62, 66, 67, 68, 76, 77, 78, 80.

 

Divida o total por 25. Este é seu coeficiente Simplista.

 

Desaprovador:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 3, 4, 5, 8, 10, 11, 20, 21, 22, 41, 42, 54, 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61, 63, 65, 69, 70.

 

Divida o total por 23. Este é seu coeficiente Desaprovador.

 

Laissez-Faire  (deixar fazer sem impor limites ou consequências):

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 26, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 50, 52, 53.

 

Divida o total por 10. Este é seu coeficiente Laissez-Faire.

 

Preparador Emocional:

 

Some o número de vezes que você respondeu “Verdadeiro” entre os itens: 16, 23, 27, 29, 30, 31, 32, 34, 35, 36, 37, 38, 39, 40, 51, 64, 71, 72, 73, 74, 75, 79, 81.

 

Divida o total por 23. Este é seu coeficiente de Preparador Emocional.

 

Agora compare seus quatro coeficientes.

O mais alto indica sua tendência dominante.

Olhe então para a lista a do post seguinte que resume as características básicas de cada estilo e explica como cada um afeta a criança.

 

Fonte:

19
Ago14

Regras da Casa

solua

Voltei a relembrar aos meus pequeninos as regras da nossa casa:

 

Aprender a Obedecer aos Pais  
Regra Nº1  Obedecer aos Pais!  
Regra Nº2 Quando os Pais chamam   é para vir!  
 Aprender a Guardar as Coisas de Usar  
Regra Nº3 Arrumar os brinquedos   que desarrumaram!  
Regra Nº4 Não deitar coisas   para o chão!  
Regra Nº5 Se abriste, Fecha!  
Regra Nº6 Se acendeste, Apaga!  
Regra Nº7 Se sujaste, Limpa!  
Regra Nº8 Se desarrumaste,   Arruma!  
Regra Nº9 Se partiste, Arranja!  
Aprender a Fazer as   Obrigações  
Regra Nº10 Nunca desitas e nunca   digas não consigo! Faz o melhor possivel!  
Regra Nº11 Ri muito! Sorri!  
Regra Nº12 Trabalha muito!  
Regra Nº13 Mas brinca ainda   mais! Diverte-te!  
Regra Nº14 Diz sempre a verdade!  
Regra Nº15 Cumpre as promessas!  
Regra Nº16 Ajuda os outros!  
Regra Nº17 Pensa antes de falar!  
Regra Nº18 Se não sabes,   Perguntas!  
Regra Nº19 Se prometeste,   Cumpre!  
Regra Nº20 Se pediste   emprestado, Devolve!  
Regra Nº21 Se não sabes fazer   melhor, não critiques!  
Aprender Boas   Maneiras  
Regra Nº22 Cuprimenta as   pessoas, diz Bom dia, Boa Tarde ou Boa Noite!  
Regra Nº23 Use as palavras   mágicas, obrigado, por favor, de nada e com licença!  
Regra Nº24 Comer,   nos horários, às refeições! Não falar com a boca cheia! Não sair da mesa até   terminar e ao fim pedir aos pais para sair da mesa!  
Regra Nº25 Não gritar e nem   fazer birras!  
Regra Nº26 Não bater!  
Regra Nº27 Ouvir a opinião de   todos! E esperar pela tua vez!  
Regra Nº28 Respeita!  
Regra Nº29 Perdoa, mesmo sendo   dificil!  
Regra Nº30 Pede desculpa!  
Regra Nº31 Partilha!  
Aprender a Cuidar:   Pessoas e Coisas  
Regra Nº32 Quando chega a hora   do Banho, é para tomar banho!  
Regra Nº33 Vestirem-se sozinhos   e arrumar a roupa espalhada!  
Regra Nº34 Lavar os dentes!  
Regra Nº35 Antes das refeições e   quando vai a casa de banho, lavar as mãos!  
Regra Nº36 Temos que dar muitos   beijinhos e xiis, todos os dias!  
Regra Nº37 Não te esqueças que   te amamos muito, daqui até a lua :)   
07
Nov13

Será possível conciliar carreira, maternidade e realização pessoal?

solua

Acredito que esta pode ser uma questão minha e de muitas futuras ou atuais mamães que se vêem diante da necessidade de conciliar maternidade e trabalho

 

...

 

Tarefa difícil, mas não impossível, acredito. ... Entretanto, quanto tempo temos ainda para nos realizarmos profissionalmente? Quantos anos os bebês precisarão de nós e o que isto representa no tempo total que temos para exercer nossas atividades profissionais? O que representa uma redução no ritmo

das atividades por um tempo se tenho a vida toda pela frente para atuar profissionalmente, crescer financeiramente e/ou continuar me formando?

 

....

 

para aquelas que sentem a maternidade como uma missão, como uma contribuição para um mundo melhor...

 

...

 

 "a personalidade do futuro adulto é influenciada e moldada pelas emoções e atitudes da mãe"

...

 

 

13
Ago13

Educar...

solua

"Tratamo-nos da mesma forma como nos tratavam os nossos pais.

 

Ralhamos e castigamo-nos da mesmíssima maneira.

 

Se escutar bem, quase que consegue ouvir as palavras deles.

 

Se tivermos sido amados enquanto crianças, amamo-nos e encorajamo-nos da mesma maneira.

 «Nunca fazes nada como deve ser.» «É tudo por tua culpa.»

 

Quantas vezes ja disse estas coisas a si próprio?

 «És maravilhoso.»

 «Eu amo-te.»

 Quantas vezes é que diz a si próprio estas coisas?"

 

➙ in "Pode curar a sua Vida" por Louise L. Hay